segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Terceirização precariza o trabalho?

"O debate para a terceirização deve ser equilibrado"


A resposta é não. Isso é “balela”, afinal os tempos mudaram — e até mesmo o esquema da CLT precisa se adaptar à modernidade. A resposta é do presidente, do Conselho de Relações do Trabalho da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Alexandre Furlan. Para ele, esse debate deve buscar um equilíbrio entre o empresariado e a legislação.

Atualmente, a terceirização é o maior setor de empregos formalizados. 72% dos funcionários terceirizados têm empregos formais, enquanto o índice de formalização nacional é de 52%.

Terceirizar, ainda segundo as declarações de Alexandre, é ter a garantia da qualidade do trabalho, com possibilidade de substituição do funcionário e também de negociações que beneficiem aos dois lados: a empresa e o funcionário.

Rhelty: “O nosso trabalho é facilitar o seu”.
(http://www.rhelty.com.br)

Nenhum comentário:

Postar um comentário