segunda-feira, 20 de março de 2017

Apresente-se bem: como preparar uma apresentação mais eficaz

Treinar o conteúdo é essencial

O que faz a diferença na hora de uma apresentação? Confira as dicas para se dar melhor na hora de falar ao seu público.

Planeje

  • Primeiro, defina o tema da sua apresentação
  • Qual será o propósito dela? É motivacional, institucional?
  • Quem é o seu público-alvo? Quantas pessoas? Qual o nível de conhecimento sobre o assunto? 
  • Limite o seu tempo
  • Só então, defina se vai utilizar recursos audiovisuais ou não


Pratique

  • Defina o seu objetivo: o que espera que as pessoas façam a partir do que você apresentar? - Escolha o conteúdo do que vai apresentar
  • Divida por partes: como iniciar? Como desenvolver? Como concluir?
  • Escolha as inserções durante a sua fala: um trecho de filme, uma história.
  • Prepare os recursos audiovisuais
  • Esteja preparado para perguntas e respostas
  • Treine. A prática constante é a chave para o sucesso

Rhelty: "O nosso trabalho é facilitar o seu"
http://rhelty.com.br

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

8 dicas para o melhor feedback


Seja descritivo e específico — foque no comportamento e não na pessoa 
Vai dar o feedback a um funcionário? Essa ação, que deve acontecer com frequência, para que se possa medir sempre da melhor forma a qualidade do trabalho, tem também a sua melhor maneira de ocorrer. Listamos abaixo 8 dicas para quando essa situação chegar:

1. Escolha um momento e local livre de interrupções e reservado.
2. Inicie levantando e valorizando os pontos positivos e seus impactos.
3. Ao falar sobre pontos negativos e seus impactos, cite situações específicas.
4. Seja descritivo e específico — foque no comportamento e não na pessoa (não faça julgamento
de valor).
5. Direcione o feedback para comportamentos que o profissional possa modificar.
6. A cada ponto colocado, procure entender como o receptor se percebe em relação ao mesmo,
buscando sempre construir um raciocínio conjunto.
7. Sugira comportamentos alternativos e mostre benefícios.
8. Coloque-se à disposição para retomarem algum ponto depois, se necessário. Às vezes um
feedback pode demorar para ser assimilado.

Rhelty: "O nosso trabalho é facilitar o seu"
www.rhelty.com.br

segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

Medo, não! Quatro dicas para melhorar a experiência nas entrevistas de emprego

Ter uma experiência ajuda a aprimorar — e isso também funciona nas entrevistas"

1. Esteja preparado para falar de si mesmo
É fundamental que, durante uma entrevista de emprego, você esteja preparado — e que saiba dizer o que você faz. Mesmo que esteja no seu currículo, é importante que você reforce ao avaliador. Primeira parte feita. Mas, como você preenche a essa vaga de trabalho? Explique como você se encaixa.

2. Nervosismo? Fale.
Se estiver nervoso, conte ao seu entrevistador. Afinal, ao te avaliar, os seus possíveis colegas de trabalho também esperam saber como você pensa, o que tem a acrescentar e o que precisará ser ensinado. Não tenha medo das perguntas. Sendo pertinentes, elas demonstram o quanto você se importa em estar na empresa.

3. Vista-se de forma adequada ao seu cargo
Há locais de trabalho em que até vestir-se formal demais pode passar a impressão errada. Nem todas as entrevistas precisam de um traje social completo. Por isso, sempre preste atenção ao cargo e vista-se de acordo com ele para a sua entrevista.

4. Treine
Provavelmente, essa não será a única entrevista da sua vida. Por isso, vale fazer cursos, testar e até pesquisar como é o processo seletivo da empresa em questão. Ter uma experiência ajuda a aprimorar — e isso também funciona nas entrevistas.

Rhelty: "O nosso trabalho é facilitar o seu"
www.rhelty.com.br

segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Em falta: os 10 postos de trabalho mais escassos em 2016

As vagas podem ser oportunidade de emprego em 2017

Em relatório divulgado pelo ManpowerGroup, a informação é direta: 43% das empresas brasileiras têm dificuldades na hora de contratar. E, apesar das informações brasileiras, o quadro é mundial: desde a crise de 2008, 4 em cada 10 empregadores passam por problemas na hora de preencher os postos de trabalho.

A dificuldade tem suas razões: primeiro, para 41% das empresas brasileiras, a falta de habilidades técnicas, seguida de falta de habilidades pessoais (17%), falta de experiência (14%) e expectativa de um salário maior que o oferecido (14%).

A solução? Atualizar. Intensificar o contato e a relação de networking com cada empresa para garantir uma vaga. O primeiro passo está dado. Confira a lista das profissões mais escassas no Brasil:

1. Técnico
2. Secretário, recepcionista e assistente administrativo
3. Operador de máquinas e de produção
4. Trabalhador de ofício
5. Representante de vendas
6. Executivo
7. Profissional de finanças e contabilidade
8. Motorista
9. Engenheiro
10. Profissional de TI

Rhelty: “O nosso trabalho é facilitar o seu”.
(http://www.rhelty.com.br)

segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Terceirização precariza o trabalho?

"O debate para a terceirização deve ser equilibrado"


A resposta é não. Isso é “balela”, afinal os tempos mudaram — e até mesmo o esquema da CLT precisa se adaptar à modernidade. A resposta é do presidente, do Conselho de Relações do Trabalho da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Alexandre Furlan. Para ele, esse debate deve buscar um equilíbrio entre o empresariado e a legislação.

Atualmente, a terceirização é o maior setor de empregos formalizados. 72% dos funcionários terceirizados têm empregos formais, enquanto o índice de formalização nacional é de 52%.

Terceirizar, ainda segundo as declarações de Alexandre, é ter a garantia da qualidade do trabalho, com possibilidade de substituição do funcionário e também de negociações que beneficiem aos dois lados: a empresa e o funcionário.

Rhelty: “O nosso trabalho é facilitar o seu”.
(http://www.rhelty.com.br)

segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Horas de trabalho: reduzir ou manter?

"O tema da diminuição da jornada para 40 horas é pauta desde 1995"

A proposta que está pronta para ser votada em Plenário, de reduzir as horas semanas do trabalho de 44 para 40 horas semanais, ainda dividem opiniões entre especialistas da área e trabalhadores.

O tema tramita no Congresso Nacional desde 1995 como uma das principais bandeiras levantadas pelo movimento sindical. Mas, para os empresários, a visão é diferente: "Não vejo vantagens dessa medida para as empresas, que terão despesas como hora extra e novas contratações. Também não vejo tantos benefícios para o funcionário, já que a diferença de tempo de trabalho por dia será pequena", explica a advogada especialista em direito empresarial Lucyanna Lopes.

Por outro lado, para o chefe da seção de Relações de Trabalho da Superintendência Regional de Trabalho e Emprego do Paraná, Luiz Busnardo, "à medida que reduz o desgaste físico e mental dos trabalhadores, propiciando um maior tempo de lazer, pode-se atingir um aumento da produtividade".

Embora, em muitos casos, o empregado acaba complementando sua jornada com outras atividades, eliminando a possibilidade de lazer e ganho de produtividade.

Rhelty: "O nosso trabalho é facilitar o seu"
(www.rhelty.com.br)

sexta-feira, 30 de setembro de 2016

Jogo dos 7 erros

"Não adianta dar fôlego no início e não ter organização para continuar"

Certamente, você já ouviu dizer que todo mundo vai errar. Mas, quais são os principais erros de RH de uma empresa startup (que está em fase inicial?) Listamos aqui 7 deles:

1 — Não ter um RH
Ter um gestor de RH (o que pode significar também terceirizar um bom serviço), implica diretamente na gestão de pessoas da sua empresa. É ele quem entrevista, contrata e gerencia as necessidades e supervisões da equipe de funcionários.

2 — Esquecer a cultura
Os valores da empresa precisam sempre ser mantidos e estar presentes na mente e no trabalho dos funcionários, que contribuem melhor para a empresa.

3 — Ter um CEO ausente
O CEO, que comanda a empresa, deve estar sempre a par dos processos e do desenvolvimento de trabalho. A participação ativa é fundamental para o crescimento.

4 — Não medir desempenho
Cada funcionário da empresa deve estar ciente de seu nível de desempenho. Só assim é que pode ter percepções e iniciativas que melhorem na contribuição com o trabalho.

5 — Contratar errado
Para a contratação, os desempenhos e qualificações devem sempre ser analisados cuidadosamente. Caso contrário, o trabalhador não contribui satisfatoriamente ao que a vaga — e a empresa — precisa.

6 — Não ter etapas
Passo a passo. Não adianta dar certo no início e não ter organização e metodologia para continuar. Dividir as etapas dá fôlego e também conscientiza no trabalho.

7 — Não comunicar a estratégia
A informação precisa circular, independentemente do tamanho da equipe. Com todos a par dos processos e modos de trabalhar, a produtividade tende a aumentar sempre.

Rhelty: "O nosso trabalho é facilitar o seu". 
(http://www.rhelty.com.br)